Primeiras unidades serão comercializadas apenas pela internet. Marca diz que lojas terão serviço ‘premium’; preços não foram divulgados.

Ator Caio Castro ganhou a primeira Vespa, na volta da marca ao Brasil (Foto: Rafael Miotto/G1)
Ator Caio Castro ganhou a primeira Vespa, na volta da marca ao Brasil (Foto: Rafael Miotto/G1)

As fabricantes Vespa e Piaggio revelaram nesta terça-feira (4) os detalhes de sua operação oficial no Brasil, anunciada em junho deste ano. Especializada em scooters, o grupo Piaggio será representado no país pela Asset Becley. A última vez que a Vespa chegou a ser vendida oficialmente no país foi na década de 80, em parceria com a Caloi, que montava os veículos.

O Brasil receberá os modelos Primavera, com motor de 125 cm³ e 150 cm³, de 4 tempos, e freios ABS, Sprint 150, GTS 300 com ABS e 946 Emporio Armani 150 com ABS. A Primavera 150 terá uma série especial, de mil unidades numeradas e com grafismos especiais.

As vendas começam, pela internet, na próxima segunda-feira (10), apenas para a série especial. Os preços só serão divulgados no próximo domingo (9).

O primeiro exemplar foi presenteado para o ator Caio Castro, que será o “embaixador” da marca no Brasil. Ele entrou no palco conduzindo o scooter.

Vespa GTS 300 Settantesimo (Foto: Divulgação)Vespa GTS 300 Settantesimo (Foto: Divulgação)

Boutiques
Depois, virão as concessionárias, chamadas pela marca de boutiques. As duas primeiras serão inauguradas em 22 de outubro, nos shoppings JK, na Zona Sul de São Paulo, e Iguatemi, em Campinas (SP). A primeira loja de rua será aberta em novembro, na mesma região paulistana.

Neste ano, serão 8 pontos de venda. No ano que vem, mais 10, chegando a 40 em 2018.

“Queremos receber os clientes em um espaço moderno e encantador”, disse Longino Morawski, presidente da Piaggio Brasil e que antes esteve à frente da Harley-Davidson no país. “Nossas boutiques serão charmosas e elegantes. Sempre teremos um barista, pronto para retirar um café”, completou.

Montagem nacional
Nos dois primeiros anos de operação no Brasil, a Vespa terá os modelos importados. A ideia é construir uma fábrica no Brasil com início da produção em 2018.

“Estamos conversando com uma grande montadora no Brasil para fazer a montagem”, afirmou o CEO da Asset Beclley, Santo Magliacane.

Meta é de alcançar 10%
O objetivo da Vespa é emplacar 2 mil unidades até o final deste ano. Para 2017, a meta são 12 mil unidades, também com motocicletas Vespa. A meta de 2018, porém, de 35 mil unidades do grupo Piaggio, dá a entender que produtos de outras marcas do grupo podem chegar.

O Brasil passa por uma ‘scooterização’. Nosso estudo aponta para o crescimento nos próximos anos”
Longino Morawski, presidente da Piaggio Brasil

Além de Vespa e Piaggio, o grupo também é dono de Aprilia, Derbi, Gilera, Moto Guzzi e Scarabeo.

“O Brasil passa por uma scooterização. Nosso estudo aponta para o crescimento nos próximos anos. Acreditamos no mercado e a Vespa está inserida em um mercado bem promissor”, afirmou  Morawski.

Na época do anúncio, a Asset Beclley afirmo que o objetivo será alcançar 10% do setor de 2 rodas nos próximos 5 anos. Para se ter uma ideia de como os planos são ambiciosos, ter esta fatia do mercado tornaria a Piaggio a 3ª colocado em vendas de motos do Brasil, apenas atrás de Honda e Yamaha, marcas instaladas há décadas no Brasil.

História no Brasil
Não é a primeira vez que a Vespa será vendida no Brasil. Os scooters italianos inclusive já foram montados no Brasil nos anos 80, fruto de uma parceria da Piaggio com a fabricante de bicicletas Caloi.

Vespa 946 Emporio Armani (Foto: Divulgação)Vespa 946 Emporio Armani (Foto: Divulgação)

Fonte: Globo.com